Back
SHARE
coronadaily

Coronadaily em Português – 17/03/20

Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter

Tradução de Angelica Mari.
Cronycle prepares a daily newsletter on Covid-19 – the original Engligh issue can be found here.

Covid-19 – 17/03/20 “Estamos em guerra”| 🤕 182,725 | Mortes 7,174

Ops  – o link do “Vídeo do dia” de ontem estava ausente. Ele detalha o argumento da solidariedade para o “distanciamento social” ao invés da abordagem egoísta. Tem só 18 segundos e é muito importante. (Link)

Resumo dos dados diários:

182.725 casos cumulativos (+11.880)

Casos ativos: 95.668 (+9.139) (este é o número de pacientes atualmente infectados)

% de casos acumulados fora da China: 56,7% ❗️mais casos de infectados fora da China

Total de mortes: 7.174 (+648) mais mortes fora da China agora

Casos graves/críticos: 6.163 (+246)

Fonte: https://www.worldometers.info/coronavirus/

Curvas de casos (atualização posterior depois que o ECDC liberar novos dados e um novo script para incluir mais países)

blank

Emmanuel Macron se dirigiu à nação francesa ontem, assim como Donald Trump, Boris Johnson e outros. Durante seu segundo discurso sobre o COVID19, Macron repetiu seis vezes “Estamos em guerra”. Trata-se um acontecimento positivo. Ao contrário de Trump e Johnson, que se cercam de argumentos de “ciência” durante suas falas, ele estava por conta própria entregando sua decisão política sobre a melhor forma de combater a pandemia. Ele apertou as regras do isolamento.

Pela primeira vez, e levando em conta que cada país está em um estágio diferente da pandemia, houve consistência em um ponto: a necessidade de “distanciamento social”. Vários comentaristas notaram a mudança na posição de Trump. Um deles até declarou: “Esta versão de Donald Trump salvará vidas”. Eu concordo. Será que aguardar o resultado de seu próprio teste de COVID19 fez Trump refletir sobre a gravidade da crise, ou foi o colapso do mercado de ações? Isso realmente não importa. O que importa é que ele apareceu e que isso não é algo pontual. Boris Johnson parecia um pouco mais abalado. Ele parecia ter levado um soco no queixo antes da conferência. Foi na reunião do G7 que precedeu o briefing, ele foi picado na reunião da COBRA ou foi o artigo recém-publicado pelo professor Ferguson (ver mais abaixo)? Talvez em uma pandemia, o G7 seja o processo de revisão colaborativa que os líderes precisam e com o qual cientistas estão acostumados. Embora o Reino Unido tenha tido a pior participação nessas três ocasiões, tenho certeza de que respostas ali também estão indo na direção certa.

Ontem foi um ponto de virada importante quando se trata da liderança no topo. Em muitos países onde a sociedade civil, empresas e os níveis mais baixos do governo mostraram liderança, o topo estava faltando. Agora, não apenas esses três líderes (e outros) apareceram, mas também mostraram unidade em sua resposta e comunicação. A cooperação e a solidariedade serão fundamentais na velocidade e eficácia com que podemos combater essa pandemia. Agora estamos finalmente em ordem de batalha no topo. Ainda existem várias incógnitas científicas sobre o vírus, mas a comunidade científica foi a primeira a mostrar essa cooperação necessária (mais de 24.000 trabalhos de pesquisa já foram disponibilizados em um só lugar).

À medida que descobrirmos mais sobre o vírus, saberemos o quão formidável o inimigo COVID19 é, mas pelo menos agora estamos em uníssono. Como escrevi antes, sou otimista em relação ao público e sua resiliência. No entanto, precisaremos refletir mais tarde sobre como chegamos lá. Como os governos em que confiamos para nossa segurança perderam uma competência essencial para fornecê-la: gerenciamento de riscos. Quanto ao clima, devemos parar de discutir constantemente sobre números (CFR para o COVID19 e PPM para o clima) e pensar em riscos para a população (risco climático versus mudança climática). Palavras também importam. Com o pensamento adequado sobre gerenciamento de riscos, nos prepararemos, comunicaremos e reagiremos melhor quando a próxima crise chegar.

A próxima luta pela frente é desafiadora em muitos níveis, mas a liderança mais importante do mundo agora sabe: estamos em guerra.

🦠 Tuíte do dia: Jeremy Farrar, diretor da organização de pesquisa médica Wellcome Trust, salientando que a palavra importa e que talvez devamos renomear “Distanciamento Social” e falar mais sobre “distanciamento pessoal físico”. Uma distinção importante, feita juntamente com o total apoio ao distanciamento. Mais do que nunca, precisaremos de nossos laços sociais para manter nossa resiliência como comunidade. Só temos que fazer com que a liderança no topo concorde em comunicar a necessidade de distanciamento, por isso talvez tenhamos  que esperar um pouco para renomeá-lo!

“Palavras importam – Distanciamento Social – não funciona. Devemos manter nossas interações sociais, nossas comunicações, nosso compartilhamento, é o que nos une – precisamos sim de uma distância física pessoal, mas socialmente mais próxima do que nunca”

Jeremy Farrar

😃 Vídeo do dia: #Dontbeaspreader. (em inglês: não seja um disseminador) Ótimo vídeo curto de Max (filho) e Mel Brooks (pai) sobre a necessidade de distanciamento e a responsabilidade intergeracional de proteger os idosos. Também é um lembrete de que rir será um poderoso antídoto.

Leitura Longa❗️: A história principal é algo que eu defendi anteriormente neste boletim (“Nós não somos ovelhas”): “os modelos devem ser compartilhados e submetidos a escrutínio público”. Professor Neil Ferguson et al. 

(Faculdade de Medicina , Escola de Saúde Pública; Vice-Reitor (Desenvolvimento Acadêmico) do Imperial College, de Londres) publicou: “Impacto das intervenções não farmacêuticas (NPIs, no acrônimo em inglês) para reduzir a mortalidade e a demanda de saúde por COVID-19”.

É uma leitura obrigatória (pelo menos o resumo) e é um desdobramento muito bem-vindo, considerando que o professor Ferguson é um epidemiologista respeitado mundialmente e que aconselha muitos governos. Há várias suposições em sua conclusão, mas agora que sua análise está aberta, essas suposições poderão ser contestadas e o debate democrático poderá seguir. A microssimulação é feita em dois países (Reino Unido e EUA), mas outros países poderão realizar o mesmo com seus respectivos números nos limites da capacidade do sistema de saúde.

O artigo analisa as duas estratégias que temos à nossa disposição e seus efeitos sobre a gravidade do resultado:

    “Duas estratégias fundamentais são possíveis: (a) mitigação, focada em retardar, mas não necessariamente em impedir a propagação da epidemia – reduzindo a demanda de atendimento de saúde e protegendo aqueles com maior risco de doenças graves de infecção; e (b) a supressão, que visa reverter a epidemia crescimento, reduzindo o número de casos a níveis baixos e mantendo essa situação indefinidamente.”

Ele conclui que a mitigação sozinha, embora ainda desafiadora, levaria a “reduzir a demanda de atendimento médico em 2/3 e as mortes pela metade”. (com fatalidade ainda estimada na faixa de centenas de milhares). A conclusão é, portanto: ❗️ “Para países capazes de alcançar isso, a supressão é a opção política preferida.” ❗️

Por fim, ele destaca que é muito provável que a supressão tenha que durar um longo período de tempo (potencialmente até que uma vacina esteja disponível daqui a 18 meses), pois mesmo que a Coréia do Sul e a China tenham mostrado uma supressão bem sucedida a curto prazo, não temos nenhuma dados sobre supressão a longo prazo.

Uma leitura importante, bem-vinda e sóbria.

(Link FT e Link da pesquisa)

🇺🇸 Frequentemente rotulado como o líder da “Imprensa Fake News” de Trump, Stephen Collins, da CNN, escreve graciosamente e com razão: “Trump finalmente leva a sério a emergência do coronavírus”.

    “[Trump] distribuiu informações inatacáveis ​​com base em fatos. Ele pediu unidade nacional e parecia que pretendia ajudar a forjá-la. E ele abandonou o hábito normal de sugerir o melhor resultado possível para uma situação com superlativos improváveis ​​- ao invés disso, comunicou a gravidade de uma crise que se agrava rapidamente. ”

Um desdobramento bem-vindo em muitas frentes, incluindo a diminuição do partidarismo nesta questão em favor da unidade nos EUA. Unidade irá e não deve proibir, tanto pela mídia quanto pela oposição, o escrutínio necessário do Governo Federal. (Link)

💉 Denise Grady, no New York Times, relata o início do estudo da Fase I para a candidata à vacina para o novo coronavírus da Moderna Therapeutics. Conforme observou Neil Ferguson em sua pesquisa, esse será um fator crítico para a erradicação sustentada do COVID19 e a candidata da Moderna é o primeiro a sair. Estamos de dedos cruzados, mas é provável que isso ainda demora de 12 a 18 meses. (Link)

🦠 Um dos fatores principais do quão mortal será a pandemia do COVID19 depende da extensão da transmissão assintomática (um indivíduo sem sintomas pode transmitir o vírus). A “extensão” é: se isso ocorre ou não, o quão fácil é que isso aconteça e por quanto tempo a fase assintomática pode acontecer. Em um artigo publicado na Science, os pesquisadores Ruiyin Lu et al. publicam “Infecção não documentada substancial facilita a rápida disseminação de novos coronavírus (SARS-CoV2)

    “Essas descobertas explicam a rápida disseminação geográfica do SARS-CoV2 e indicam que a contenção desse vírus será particularmente desafiadora”.

(Link)

🦠 Outro fator a ser observado é a capacidade das pessoas de serem re-infectadas. Isso tem duas implicações principais: a possibilidade de desenvolvermos imunidade pessoal (curta ou sustentada) versus COVID19 (que foi uma suposição fundamental na chamada estratégia inicial de “imunidade de rebanho” do governo do Reino Unido) e indicações sobre a vacinação. Estas foram perguntas feitas a Chris Whitty (conselheiro chefe de saúde e chief medical officer do Reino Unido) na entrevista coletiva com o primeiro-ministro ontem, pois existem relatos de um paciente japonês sendo reinfectado. Essa será outra área importante de pesquisa no futuro. (Link)

Carole Cadwalladr, do The Guardian, escreve “‘Todo mundo tem medo de falar’: médico do pronto-socorro pede testes de COVID-19”. Desde o início da crise, a Organização Mundial da Saúde destacou a necessidade de proteger os profissionais de saúde. O Reino Unido está atrasado em relação a outros países. Artigo importante para acelerar a ação governamental correta e proteger urgentemente os trabalhadores do NHS, sistema público de saúde do país. (Link)

🌉 Novamente com foco em prefeitos e governadores estaduais dos EUA, e antecipando medidas do governo federal para proteger seus eleitores, o prefeito de São Francisco anuncia medidas drásticas visando o isolamento para coibir a disseminação do COVID19 junto a outros cinco municípios da área da baía de São Francisco. O prefeito Sadiq Khan (de Londres) e outros continuam sem reação. (Link)

🙌 Embora tenhamos visto acumulação de compras, há um número crescente de comunidades e iniciativas de ajuda aos que mais precisam. Dois exemplos aqui: um na Inglaterra e outro em Boston. O primeiro relatado pela BBC é sobre o Beauty Banks, uma instituição de caridade que fornece artigos de higiene essenciais para pessoas em situação de pobreza que lançou um apelo emergencial relacionado ao vírus no domingo. O outro, em Boston, é o lançamento da iniciativa BostonHelp “para resolver alguns dos desafios locais decorrentes da pandemia de coronavírus”. no site Boston.com. Isso é importante para ajudar a sociedade e a prática de alguns desses projetos se tornará mais desafiadores à medida em que o distanciamento físico se tornar a norma. Mesmo assim, é encorajador. (Link e Link)

📊 Uma imagem vale mais que mil palavras

    1. Um ótimo recurso reunido por Ben Kuhn e Yuri Vishnevsky. Em um momento em que precisamos de solidariedade e cooperação, prefiro a legenda “Precisamos de medidas mais fortes, muito mais rápidas” do que o título que eles deram. É um simulador de como é o crescimento de casos, dependendo das medidas da sua comunidade. Recurso fantástico para estimular comunidades e governos a agir (Link)

    2. Um guia útil da VOX sobre os “9 gráficos de pandemia de coronavírus que todos deveriam ver” (Link)

    3. Dados e gráfico atualizados regularmente pelo Centro de Modelagem Matemática de Doenças Infecciosas da London School of Hygiene & Tropical Medicine. Ele mapeia o número de reprodução efetivo (também conhecido como R0) do COVID19. O ideal é que fique abaixo de 1 o mais rápido possível para conter uma epidemia. (Link para ver gráficos e mais dados sobre seu país)

    4. ATUALIZAÇÃO EM PROGRESSO (visualização por país em breve) ❗️Este é um GitHub feito por meu amigo François Lagunas (co-fundador e extraordinário CTO da Stupeflix, uma empresa que apoiamos). Ele escreveu um roteiro para eliminar as mortes e o número de casos, a fim de visualizar a taxa de crescimento em uma escala logarítmica. Ele se baseia no fato que a Coréia do Sul e a Itália estão 36 dias atrás do surto da China, e a França e os EUA mais 9 dias atrás. Você pode ver claramente que a Coréia do Sul é uma discrepância (como já mostrado no meu boletim informativo “Mais vale prevenir do que remediar” e que a gravidade desse surto dependerá dos comportamentos dos governados e da ação decisiva de nossos governos). (Link)

    5. Este é um ótimo painel do COVID19 preparado por Andrzej Leszkiewicz. Andrzej também escreveu um blog introdutório e explicativo (taxa de mortalidade por doença de Coronavírus (COVID-19): OMS e mídia versus lógica e matemática)). É um painel muito extenso, com 28 páginas. Gosto particularmente da guia de comparação de países, que permite acompanhar e comparar a curva da epidemia (número de casos e mortes) em seu país com a de outro. Muito bem feito e informativo. (Link)

    6. Cingapura continua sendo o padrão do painel. Aqui está um artigo com os melhores e piores de todos os painéis do mundo, com prós e contras, preparados por Neel V. Patel para a MIT Technology (Artigo)

    7. Esta é a página de dados e gráfico do New York Times do COVID19 com um mapa de atualização apenas dos EUA (Link)

🏛 (NOVO❗️) Projetos colaborativos notáveis

    1. Mike Butcher (editor da Techcrunch e fundador da TechforUK), reorientou o TechforUK na luta contra o COVID19. É uma equipe muito eficaz de voluntários. Entre em contato com eles. Agora, estamos trabalhando em estreita colaboração com os voluntários por trás do “Manual de tecnologia de coronavírus“. (Eles são ‘primos’ nossos, que criaram originalmente o Electiontechhandbook, para as eleições). O melhor da colaboração voluntária! (Link)

    2. Tariq Krim iniciou um site da COVID19 que rastreia dados sobre a resposta política do governo à pandemia (Link)

❗ (NOVO❗️) Há muitas maneiras pelas quais você está devolvendo à nossa newsletter: comentários, obrigado, links e compartilhamento.

Uma jornalista voluntária entrou em contato com alguns dias atrás, oferecendo a tradução do meu boletim para o português. Ela fez a primeira tradução ontem da edição de ontem (“Correndo atrás”). Vou postar mais tarde na seção de comentários e em um local mais permanente. Fique ligado.

Crescimento exponencial e epidemias (vídeo permanente)

Este é um excelente vídeo explicando “crescimento exponencial” e epidemias. Embora todos estejamos familiarizados com a frase, seus autores dizem com razão que “ainda assim a intuição humana tem dificuldade em reconhecer o que significa”. Este é um vídeo que❗️VOCE PRECISA ASSISTIR❗️ para entender completamente o que estamos enfrentando, mas também como as mudanças comportamentais iniciais em escala podem ter um impacto maciço no nível de crescimento exponencial do COVID19 (Link)

Discover the power of Cronycle for Teams

What to read next